domingo, 30 de outubro de 2011

Fragmentos (7)

Foto de uma das cenas do filme E La Nave Va (Itália, 1983, Fellini).


Você fala sempre de minha voz.
Mas, por vezes, tenho quase a certeza que não é minha.


Eu sou uma garganta, 
um diafragma,
um sopro.


Não sei de onde vem a voz.


Sou só um instrumento 
Uma simples moça, 
que até tem medo desta voz,
porque toda a vida 
me obrigou a fazer o queria.


[Fala citada da falecida Edmea Tetua, cantora lírica personagem do filme E La Nave Va (Itália, 1983) de Federico Fellini. Durante toda a história, uma tripulação de cantores de ópera estão levando as cinzas de Edmea à ilha de Erimo. Na oportunidade, recordam-se das interpretações feitas pela cantora e das suas relações com a muito admirada Edmea].

2 comentários:

Lívio disse...

Temática que sempre me fascinou, Bruna, a do talento. "Tabacaria", do Pessoa, toca na questão. "The whole of the moon", da banda The Waterboys, serve como metáfora sobre o assunto. O filme "Amadeus" é também sobre isso.

Bela, bela citação. Quando a pessoa é muito, muito talentosa, a impressão com se fica é a de que a pessoa... é o talento.

Bruna disse...

Saudações, Lívio!

Que maravilha você recordar de tantos e variados exemplos (variados, inclusive, no gênero de expressão artística) que tangem a temática do talento. Ótimas e ricas associações! Obrigada por fazê-las.

E sobre a pessoa muito talentosa representar o próprio talento, concordo demais. E, em igual medida, é o que aparece no soneto de Dante - transcrito na postagem anterior. A mulher que aparece no poema não só "qual parea/parece" ser sinônimo da virtude, como é a própria virtude.

Obrigadíssima pelo seu comentário, Lívio, foi deveras enriquecedor e captou a essência da citação.

Um grande abraço.