sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Espaço vazio

Os trinta raios de uma roda convergem para o cubo, 
mas é unica­mente devido ao espaço vazio que eles são úteis.

O vaso é modelado com argila,
mas é unicamente seu espaço vazio que o torna útil.

Colocam-se portas e janelas na casa em construção, 
porém é unica­mente por seu espaço vazio que elas são úteis.

Portanto: o ser, o material, tem sua importância, porém é do não ser, 
do imaterial, que depende sua verdadeira utilidade.

A Gnosis Chinesa: comentários sobre o Tao Te King de Lao Tsé /
por J. van Rijckenborgh e Catharose de Petri. Jarinu, SP: Lectorium Rosicrucianum, 2010, p. 121.

Laozi Riding and ox, Zhang Lu, s/d.
O processo de domesticação do búfalo, como traz a ilustração acima, é associado ao caminho da iluminação, nas tradições zen budistas. 

2 comentários:

Manoel Almeida disse...

Cara Bruna, ainda ontem reli essa bela passagem, a qual sempre me remete à arte tipográfica. Para o designer, o vazio é que dá a forma aos caracteres; e o espaçamento, harmonia ao conjunto. Grandioso abraço.

Bruna disse...

Manoel, no mínimo maravilhosa esta contextualização das palavras de Tsé com a arte tipográfica.

De fato, parando agora para pensar sobre a concepção no trabalho do designer, o espaço vazio é mesmo um elemento imprescindível.

Obrigada pela rica referência.
Abraços.

P.S.: Foi por causa do comentário que fiz no "Epitaphius" que a memória reavivou esta outra passagem do Tao Te King. Então, agradeço-lhe também por, indiretamente, me ter ofertado uma postagem.