segunda-feira, 29 de agosto de 2011

O fio e as missangas

Encontro JMC sentado num banco de jardim. Está recatado, em solene solidão, como se só ali, em assento público, encontrasse devida privacidade. Ou como se aquele fosse seu recinto de toda a vida morar. Em volta, o tempo intacto, só com horas certas.
Nunca soube o seu nome por extenso. Creio que ninguém sabe, nem mesmo ele. As pessoas chamam-no assim, soletrando as iniciais: jota eme cê.
Saúdo-o, em inclinação respeitosa. Ele ergue os olhos como se a luz fosse excessiva. Um subtil agitar de dedos: ele quer que eu me sente e o salve da solidão.
- Lembra que sentámos neste mesmo lugar há uns anos atrás?
- Recordo, sim senhor. Parece que foi ontem.
- O ontem é muito longe para mim. Minha lembrança só chega às coisas antigas. 
- Ora, o senhor ainda é novo.
- Não sou velho, é verdade. Mas fui ganhando muitas velhices.
E deixámo-nos, calados. Vou lembrando os tempos em que este homem magro e alto desembocava neste mesmo jardim. Acontecia todo o final de tarde. Recordo as suas confidências. Que ele, sendo devidamente casado, se enamorava de paixão ardente por infinitas mulheres. Não há dedos para as contar, todinhas, dizia. 
- A vida é um colar. Eu dou o fio, as mulheres dão as missangas. São sempre tantas, as missangas...
Sempre que fazia amor com uma delas não regressava directamente a casa. Ia, sim, para casa de sua velha mãe. A ela lhe cotava as intimidades de cada novo caso, as diferentes doçuras de cada uma das amantes. De olhos fechados, a velha escutava e fingia até adormecer no cansado sofá de sua sala. No final, tomava nas suas as mãos do filho e ordenava que ele tomasse banho ali mesmo. 
- Não vá a sua mulher cheirar a presença de uma outra - dizia.
E JMC se enfiava na banheira enquanto a velha mãe o esfregava com uma esponja cheirosa. Acabado o banho, ela o enxugava, devagarosa como se o tempo passasse por suas mãos e ela o retivesse nas dobras da toalha.
- Continue, meu filho, vá distribuindo esse coração seu que é tão grande. Nunca pare de visitar as mulheres. Nunca pare de as amar...
- E o pai, o pai sempre lhe foi fiel?
- Seu pai, mesmo leal, nunca poderia ser fiel...
- E porquê?
- Seu pai nunca soube amar ninguém...
Agora, tantos anos passados, quase não reconheço o mulherengo homem alto e magro.
- Desculpe perguntar, JMC. Mas o senhor ainda continua visitando mulheres?
Ele não responde. Está absorvido, confrontando unhas com os respectivos dedos. Ter-me-á ouvido? Por recato, não repito a pergunta. Após um tempo, confessa num murmúrio:
- Nunca mais. Nunca mais visitei nenhuma mulher.
Uma tristeza lhe escava a voz. Me confessava, afinal, uma espécie de viuvez. Foi ele quem quebrou a pausa:
- É que sabe? Minha mãe morreu...
Meu coração sapateia, desentendido. Pudesse haver silêncio feito de gente estar calada. Mas esse silêncio não há. E nesse vazio permanecemos ambos até que, por entre o cinzentear da tarde, surge Dona Graciosa, esposa de JMC. Está irreconhecível, parece deslocada de um baile de máscaras. Vem de brilhos e flores, mais decote que blusa, mais perna que vestido. Me soergo para lhe dar o lugar no banco. Mas ela se dirige ao marido, suave e doce:
- Me acompanha, JMC?
- E você quem é, minha flor?
- O meu nome me há-de chamar, mas só depois.
- Depois? Depois de quê?
- Ora, só depois...
De braços dados, os dois se afastam. A noite me envolve, com seu abraço de cacimbo. E não dou conta de que estou só. 

COUTO, Mia. O fio das missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, pp. 65-67 
(conto: "O fio e as missangas").
_____________

Um dos dilemas de Guido Anselmi, protagonista do 8 1/2 ("Otto e Mezzo", Itália/ França, 1963) de Fellini, repousa na sua incapacidade de se relacionar com uma única mulher. Guido sempre está às voltas com muitas e diferentes mulheres, e não sustenta um par fiel com nenhuma. Ele visita e é visitado pelas mulheres. 

JMC, personagem do conto acima, espelha Guido. Ambos os personagens, em realidade, acabam sendo muito sozinhos, embora terminem sempre acompanhados por alguma mulher- nesses dois casos, a esposa. O mesmo desfecho para as histórias pode vir a ser uma confirmação para a correta escolha por determinada esposa, embora possa também, ao mesmo tempo das esposas, não significar o fim da solidão e do envolvimento com muitas mulheres... 

6 comentários:

Christiane Rocha disse...

Oi Bruna!
O filme do Fellini já vi,mas este conto e esta autora são novidades.Muito bacana e bem feita a interseção através dos personagens Guido Anselmi/JMC!
Este conto é fabuloso!
Parabéns, moça!
Abração,
Chris.
os:não consigo entender porque estes personagens insistem na solidão...

Bruna disse...

Chris,

também gosto do filme e do conto. O Mia Couto é desses escritores que dosam a prosa com poesia, e gosto demais disso. A próxima postagem será mais um conto dele. Já o Fellini, ele sempre me surpreende. Toda vez que assisto a mais um filme dele, penso: "Isso eu só poderia estar vendo aqui".

Sobre a solidão, inclusive dos personagens - acho eu aqui com meus botões -, que a opção por ela pode ser mais complexa que uma escolha. Vai saber...

Muito obrigada pelo comentário.

Um grande abraço.

Lívio disse...

Legal, Bruna.

Quanto a relacionamentos, e levando-se em conta JMC e Guido, sugiro um filme: "O homem que amava as mulheres".

Abraço.

Bruna disse...

Lívio,

quando possível, verei o filme sugerido por você. E, caso isso não demore muito a acontecer, darei um retorno sobre ele aqui mesmo.

Obrigada pela indicação e pela presença!

Abraços.

Christiane Rocha disse...

Oi Bruna, vim fazer uma retificação: é o autor e não a autora...e viva o "são google"! rsrsrsrs...

Bruna disse...

Ah, Chris, nem precisava se preocupar com isso. Eu mesma quando ouvi pela primeira vez o nome do Mia Couto, também pensei que o artigo definido que deveria caracterizá-lo fosse o feminino.

Abraços.