quarta-feira, 20 de julho de 2011

O encontro marcado


Desenho de Carlos Scliar para a capa do romance O menino no espelho de Fernando Sabino

O homem, quando jovem, é só, apesar de suas múltiplas experiências. Ele pretende, nessa época conformar a realidade com suas mãos, servindo-se dela, pois acredita que, ganhando o mundo, conseguirá ganhar-se a si próprio. Acontece, entretanto, que nascemos para o encontro com o outro, e não o seu domínio. Encontrá-lo é perdê-lo, é contemplá-lo na sua libérrima existência, é respeitá-lo e amá-lo na sua total e gratuita inutilidade. O começo da sabedoria consiste em perceber que temos e teremos as mão vazias, na medida em que tenhamos ganho ou pretendamos ganhar o mundo. Neste momento, a solidão nos atravessa como um dardo. É meio-dia em nossa vida, e a face do outro nos contempla como um enigma. Feliz daquele que, ao meio-dia, se percebe em plena treva, pobre e nu. Este é o preço do encontro, do possível encontro com o outro. A construção de tal possibilidade passa a ser, desde então, o trabalho do homem que merece o seu nome. (De uma carta de Hélio Pellegrino).                     
                                                                             
       [ Prefácio do romance O encontro marcado]

*

A salvação está em você se dar, se aplicar aos outros. A única coisa não perdoável é não fazer. É preciso vencer esse encaramujamento narcísico, essa tendência à uteração, ao suicídio. Ser curioso. Você só se conhece conhecendo o mundo. Somos um fio nesse imenso tapete cósmico. Mas haja saco!

[Carta a Fernando Sabino, revista pelo autor (Hélio) ao fazer 60 anos]

6 comentários:

Lívio disse...

Show de bola, Bruna, a convivência que você tem tido com Fernando Sabino.

Abraço.

Bruna disse...

Lívio,

Ultimamente ando conhecendo a obra do Fernando Sabino. As postagens do "Brumas" um pouco denunciam. Hoje, inclusive, já até teve direito à emoção esta convivência com os textos do escritor. Li "Amor de passarinho" do livro de contos e crônicas "A volta por cima (1990)". Sem palavras para descrever a experiência de leitura.

É isso.
Um abraço.

Ana Amélia disse...

Oi Bruninha!

Olha eu aqui depois de tanto tempo! hehe... Senti muita saudade do seu blog! hehe.. e há alguns dias gostaria de ter passado por aqui, mas acontecimentos recentes me distrairam. Enfim, gostaria de dizer que, essa questão do "encontro com o outro" tratado no primeiro trecho citado reflete muito do que tenho vivido nesse primeiro semestre... talvez não apenas nesse semestre, mas na vida. Eu acredito fortemente que é no outro que nos encontramos, que nos conhecemos e nos valorizamos. O encontro com o outro é o que me mantém na estrada. Ainda que eu caia e me machuque, é pelo outro que eu levanto e sigo em frente.

Abraços cheios de saudades e obirgada pelo prazer de visitar seu blog e descobrir tanta coisa boa por aqui. Bjókas!

Anita.

Bruna disse...

Oi, Anita!

Saudade de você, menina! Foi para longe...

Pois é, o encontro com outro é uma oportunidade de conhecermos os seres humanos. Aprendemos o que outro no mostra que somos e o que eles são. É uma descoberta imprescindível neste percurso chamado vida.

Anita, fico feliz que você descubra coisas legais por aqui.

Um abração.

Márcia disse...

Olá filha,
tanto "Encontro Marcado", como o "O Menino no Espelho", foram livros que me marcaram muito. Esse trecho que vc escolheu é belíssimo!
Me deu vontade de reler este livro. Quando o li era mto jovem, com certeza vou redescobri-lo agora. Obrigada pela dica
Bjo
Mamãe

Bruna disse...

Então quer dizer que a senhorita Márcia leu Fernando Sabino? Cada dia descubro que você leu mais do que eu supunha.ÊÊh, belezinha!

Quero ler Sabino pelo resto dessa caminhada difícil que é a vida. Ele me põe a pensar coisas interessantes.

Um abração, mãe.