domingo, 20 de março de 2011

Lestics

Recentemente conheci (não ainda pessoalmente) uma banda paulista chamada Lestics, dona de um som sincrético e bastante suave, que traz influências do rock, do folk e do country. O compositor e vocalista, Olavo Rocha, explica que o nome do grupo (Lestics) é decorrência da união do artigo “les”, do francês, mais a palavra onomatopaica popularmente brasileira “tics”, que significam, literalmente, “os tiques”. Ainda segundo Olavo, a ideia para se chegar ao nome próprio Lestics surgiu da sua experiência com o que é a música. Ele, numa comparação interessante, define: “Como os tiques nervosos, a música é algo que você faz involuntariamente e que toma conta de você. E, ainda que você não queira, ela te obriga a ter uma reação ou uma ação (não necessariamente originária da sua racionalidade).”
Desde 2006, os cinco integrantes da banda (Olavo Rocha, Umberto Serpieri, Marcelo Patu, Lirinha e Xuxa) também são responsáveis pelas suas composições e, uma delas, a que é a faixa um do seu mais novo CD, intitulado “Aos abutres” (2010), foi o meio para eu conhecer os outros álbuns do grupo, os quais podem ser conferidos e baixados pelo site oficial da banda.
A faixa um, chamada “Travessia” foi inspirada no Moby Dick do Herman Melville - autor de quem gosto muito -, e todo o clipe da música foi feito com ilustrações de antigas edições do livro, bem como numa "brincadeira" de destacar palavras do texto do escritor norte-americano. Coloco abaixo o vídeo do clipe e a letra da música, que, a propósito, achei bonita, simples e poética.
Fiquei pensando que, de repente, também, a letra (e a música, claro) poderiam ser um instrumento pedagógico inicial para quem dá aulas de literatura no ensino médio e vez ou outra precisa discutir, com os adolescentes, uma obra nada fácil como Moby Dick. Talvez extraindo um possível sentido da letra, a de alguém que está diante de uma travessia e precisa fazê-la apesar de uma série de obstáculos, inclusive (e especialmente) os de natureza interior, como o medo, os alunos já fossem preparados para as aventuras de Ismael e de toda a tripulação que, numa espécie de travessia, buscam a baleia branca, que, no fim, muito será esta travessia mesma do aprendizado interior.


            
                                           


Travessia
Composição: Lestics

As águas negras
Do oceano
Se abrem a sua frente
No seu encalço
A raiva cega
O que todo um continente


Você quer se salvar
E segue adiante
Mas o céu jamais esteve
Tão distante


Você avança
Lentamente
Pisando nos corais
Envolta miram
Curiosos
Os olhos abissais



Você quer se salvar
E segue adiante
Mas o céu jamais esteve
Tão distante

Ainda, para as pessoas que se interessarem pela banda e estiverem com um tempo que permita assistir a um vídeo de apresentação da Lestics, integrantes e músicas, indico este título de vídeo: Lestics, uma apresentação

9 comentários:

Christiane Rocha disse...

Bruníssima!
Muito legal essa banda(a-do-rei o título do CD!)e a música é bem interessante, mesmo quem nãao leu o livro, o tema é universl e pode atingir a qualquer um de nós.É o pessoal da faculdade?
bjs
Chris

Bruna disse...

Chris,

legal a banda "Lestics", não?! Pois é, até onde eu sei, eles não são da faculdade não.

Abraços.

Lívio disse...

Bruna, sempre gostei do casamento entre música pop e literatura.

Show de bola, a indicação.

Bruna disse...

Lívio,

De fato é um belo casamento, também sou adepta a ele.

E acho que a música desse grupo, apesar de todas as influências do rock, folk e outros gêneros mais, acaba por ser muito pop também.

Obrigada por ter curtido,
Abraço.

Ana Amélia disse...

Oii Bruninha!

Adorei a banda... eu gosto desse estilo leve e bonito de música.. tem uma banda do RS que gosto muito e lembrei agora, se chama "Cidadao Quem" (acho q as vozes dos vocalistas são parecidas... e os estilo tbm lembra um pouco). Mas o Cidadao está dando um tmpo pq seu vocalista estão num novo projeto com o vocalista do Engenheiros do Hawaí (uma banda de dois chamada "Pouca Vogal".. já ouviu?? eu gosto bastante.. hehe).
Outra coisa.. "Travessia" me lembra a obra de Guimarães Rosa... sou apaixonada por ele.. pena não ter tempo de "degustar" mais de seus textos.. hehe...
Já falei demais.. Beeijos Bruninhaaaa! E dá-lhe Brumas! Adoro! hehe..

Com carinho, Ana.

Bruna disse...

Anita,

valeu demais pelo comentário. Oh, não conhecia "Cidadão Quem", conhecia só "Cidadão Kane", aquele filme norte-americano [risos]. Deve ter alguma relação aí, né?!

Escutei, agora, duas músicas deles, pelo site oficial mesmo, e gostei, bem como gostei do "Pouca Vogal", de que já tinha só ouvido falar. Acho que uns meses atrás, quando o Gessinger foi até Patos, ele apresentou seu novo trabalho, mas não o tinha escutado ainda. Também bacana. Eu gosto bastante das músicas com esse ritmo, ainda mais se acompanhadas por poesia.

Quanto ao Guimarães Rosa, preciso confessar que daqui uns dias falarei dele por aqui. Sou uma admiradora dos seus textos; e, realmente, falar de travessia é lembrar de Guimarães Rosa, inevitável. Mas, não deixa de "degustá-lo" (ótima seleção de palavra para o Rosa). Faça com que a Linguística dê um espaçinho para a boa literatura.

E se seu comentários foi falar muito, fale sempre muito, Anita. Gosto muito da sua participação.

O meu abraço.
Até!

P.S.: Alô, Paraná, obrigada pela visita!

Ana Amélia disse...

Hauhsauhsa... adorei o "Alô Paraná" HAushausha... terra de gente boa viu Bruninha... igual Minas, uai! rs rs..

Bjão!

Juliana disse...

Bruninhaaaa!!!!
Seu blog é uma blzinha!!!
Te adoro garotinha!!! =]
Parabéns! Vc escreve mto bem! (sei bem disso!!!)

Bjinhos

Bruna disse...

Juju, "que belezinha" você por aqui! As bonecas estão esquecendo de me visitar.

Engraçadinha você, né?! Diz que escrevo bem porque dei uma quase insignificante ajuda no seu relatório. Está bom.[Risos]

Também te adoro, Jujuzinha.
Obrigada pela visita. Volte sempre!

Abraços.